Buscar
  • Opinião com Assinatura

Rugido Verde 06/06/2021 - ReC 3T 2020/21 da Sporting SAD: Acabou a Herança! E Agora?


6 Junho 2021 Autor: Riskos1906


Sei que o objetivo maior de uma associação, de um clube, é satisfazer as necessidades coletivas e/ou alcançar interesses comuns, dito de outra forma e no nosso caso, alcançar o sucesso desportivo. Mas também não ignoro que a perseguição deste objetivo deve estar solidificada em princípios como o respeito pelo passado e a garantia de continuidade e sustentabilidade futura.


Dito isto, é extremamente penoso abordar e avaliar a gestão em tempos de sucesso desportivo, mas não há como evitar, pois são as contas, os relatórios, que permitem uma avaliação objetiva dos factos e ações que nos conduziram até ao momento em que as contas são apresentadas.


Vem isto a propósito do ReC referente ao 3º Trimestre da época 2020/21 que foi publicado no passado dia 31/05/2021. Confesso que hesitei em avaliar e escrever sobre estas contas, ao ler a primeira página do documento, ao ouvir durante a semana argumentos, fiquei com a noção clara que a propaganda oficial e semi-oficial, nem mesmo com o sucesso desportivo se cala e continua a enganar os Sportinguistas. Fiquei sem dúvidas que teria de escrever algo sobre as contas, precisamente por ser uma altura de satisfação e festejos pelo sucesso, é imperioso que se critique o que está mal, só assim ficaria de bem com a minha consciência.


Quem não falar agora, quem não criticar nesta altura, é bom que tenha a noção que se deve calar definitivamente, que aceite o “já está, já está”, a que já se habituou e não queiram habituar quem ainda ousa contestar ou criticar.


Sei que daqui a uns dias, e graças a mais um negócio milionário, poderei ser considerado um profeta da desgraça, pois poderá transformar a situação atual que apresenta um prejuízo de 23.5M e que caminha para um recorde no final da época bem perto dos 50M em resultados líquidos negativos, recorde que certamente Godinho Lopes não se importa de ceder.


Mas temos de ser objetivos na avaliação e mesmo que considere Varandas o principal responsável pela discórdia e pela delapidação do clube, não retira a objetividade ao facto das contas em 31/03/2021 apresentarem um prejuízo de 23.5 milhões de euros.


Este resultado só surpreende quem anda desatento, é uma evolução previsível das contas semestrais, cuja análise e gráficos, acompanhados como uma linha de tendência futura podem consultar aqui. Vemos todos os índices que interessava dominar, controlar e reduzir em crescimento acelerado, isto é, mais passivo, mais dividas a fornecedores e agentes, capitais próprios cada vez mais negativos, divida do clube à SAD a aumentar e a conta reserva continua cristalizada.


Como o objetivo deste texto é combater e desmontar a narrativa da propaganda oficial e semi-oficial que tem sido largamente difundida, não vou massacrar os leitores com mais gráficos, convido a ouvirem a última edição do Primeiro Tempo, onde as contas foram e bem escalpelizadas e cujos prints dos gráficos elaborados pelo Simão podem também consultar no final deste artigo.


Assim, vamos de imediato ao que interessa. Na página 4 do ReC somos brindados com esta informação:



Dizem-nos que o resultado de 23.5M de prejuízo é resultante do impacto da pandemia e justificado pela contração do mercado de transferências e quebra de 15M nas receitas operacionais. Mas está tudo doido ou quê?

Dos 15M na quebra das receitas operacionais, 9M resultam do falhado objetivo desportivo e financeiro de participar na fase grupos da Liga Europa.



Querem ver que o Covid é responsável por terem colocado o Palhinha a treinar separado do plantel numa altura crucial da época, tendo em vista este objetivo financeiro e desportivo?