Buscar

Luís Paulo Rodrigues 11/06/2020 - Seis notícias do Estado Lampiânico



Em Portugal, o poder do Sport Lisboa e Benfica (SLB) é assustadoramente forte. É público e notório no futebol, nas demais modalidades desportivas e nos meios de comunicação social. Em outras células da sociedade portuguesa, é dissimulado, mas evidente, nomeadamente no sistema judicial.


A força do poder do SLB é exercida pelo chamado Estado Lampiânico, já identificado há muito tempo e contra o qual o ex-Presidente do Sporting Clube de Portugal (SCP) Bruno de Carvalho foi um dos escassos combatentes.


Os últimos dias foram riquíssimos em notícias do Estado Lampiânico. Vejamos algumas:


1 – Nos últimos 10 jogos, o Benfica só conseguiu vencer um. Um único jogo com uma vitória por escasso 1-0, obtida em Barcelos, no último mês de fevereiro.


Nesta jornada 26 da Liga Portuguesa, a sorte benfiquista foi diferente, com um empate em Portimão (2-2). Foi o quinto empate consecutivo, quatro dos quais para o campeonato nacional. É por isso que até um FC Porto irregular conseguiu alcançar a liderança, com dois pontos de avanço.


Se o clube em causa não fosse o Benfica, a imprensa já estaria a organizar debates e suplementos especiais sobre a grave crise de resultados.


Como está em causa o grande Benfica, todo o cuidado é pouco, não vá Luís Filipe Vieira, através dos seus tentáculos, causar estragos nas redações, fazendo aumentar o desemprego.



É por isso que abrimos os jornais e o Benfica não está em crise profunda. Segundo "A Bola", dos benfiquistas Vítor Serpa e José Manuel Delgado, os rapazes de Bruno Lage só foram "encostados às cordas" pelo Portimonense. Mas "está tudo tranquilo", como afiança o treinador, num dos destaques da primeira página.


2 – Na semana passada, o Benfica teve a sua invasão a Alcochete, com o apedrejamento da camioneta e o vandalismo nas casas de treinador e jogadores, na noite do empate caseiro ante o Tondela.


Mais uma vez, a imprensa e as televisões do Estado Lampionico mostraram toda a sua subserviência a Luís Filipe Vieira e seus tentáculos.


Não vou mencionar a hipocrisia do veterano David Borges vomitada na “SIC Notícias”. Basta-me mencionar a televisão do jornal “A Bola”, onde assisti ao impensável: o diretor de “A Bola” a justificar o ataque à camioneta dos jogadores do Benfica ensaiando a tese da retaliação dos adeptos do SCP, por terem sido atacados nas ruas, dias antes, por adeptos do SLB.


Vítor Serpa, em jeito de padre do comentário vermelho, pensou muito bem o que disse, porque falou em retaliação mais do que uma vez. É por isso que as suas palavras foram gravíssimas.


Serpa ficou a dever um pedido de desculpas ao SCP e a todos os sportinguistas. E Frederico Varandas, como presidente leonino – sempre muito ágil a insultar sportinguistas, catalogando-os como "escumalha", e outros epítetos –, deveria ter obrigado o boçal do Serpa a retratar-se. Varandas ou o presidente da Assembleia Geral, Rogério Alves. O problema é que tanto Varandas como Rogério, como temos visto, também fazem parte do Estado Lampiânico.


3 – Obviamente, a CMTV não poderia faltar, como uma das peças centrais do Estado. A sua tropa fandanga só não afirmou que foram os adeptos do SCP a atacar a camioneta do Benfica porque toda a gente sabe que não foram.


Mas os comparsas de Tânia Laranjo tudo fizeram para que essa ideia atravessasse a mente das pessoas. E se conseguissem dizer que Bruno de Carvalho tinha culpas no cartório, seria a cereja no topo do bolo.


Não conseguiram, mas mostraram de forma dissimulada, ilustrando o "Terror no Seixal" com as imagens da invasão a Alcochete, ocorrida há dois anos e já resolvida em tribunal. Foi mais uma pulhice contra o SCP por parte da televisão da faca e do alguidar.


É assim que esses sanguinários constroem realidades e influenciam as pessoas. E, mais uma vez, Frederico Varandas ficou calado, permitindo esta desfaçatez contra a marca “Sporting”.


4 – O ataque à camioneta do Benfica foi gravíssimo e poderia ter tido consequências terríveis, eventualmente pondo em causa as vidas dos jogadores e outros pessoas que seguiam na viatura.


Curiosamente, a imprensa do Estado Lampiânico e os padres do comentário, todos eles certamente especialistas em violência e tragédias deste tipo, foram muito céleres e claros, desde o princípio, a classificar Alcochete como mais grave.


E até as notícias foram prontas ao mencionar que os agressores já identificados pela polícia pertencem a uma ala radical dos No Name Boys que atua por conta própria.


Não sei se repararam bem no que leram: “ala radical” e “por conta própria”.


Isto significa que na claque No Name Boys existe uma ala moderada que, para Luís Filipe Vieira, será uma ala boa. Tão boa que merece a presença do presidente benfiquista nas festas de aniversário. E existe uma ala radical que será uma ala má. Obviamente, é tudo treta para boi dormir. E para alimentar o povo desinformado.


Olhando para o desfecho do julgamento de Alcochete, onde ficou provado que os energúmenos da Juventude Leonina que invadiram a academia do SCP atuaram por conta própria, é estranho que, para a imprensa, a Juventude Leonina não tenha uma “ala radical” que atue “por conta própria”. Alas radicais e atuações por conta própria são coisas que só existem no clube da Porta 18.


5 – Como não podia deixar de ser, uma notícia de corrupção a animar a semana. O Benfica, o último grande parceiro do “Sporting de Varandas” no futebol português, está outra vez nas teias da corrupção e dos negócios duvidosos.


Numa série de reportagens que merecem o nosso aplauso – pela qualidade da informação e pela coragem em publicar –, o jornal “Público” revelou os contornos perturbadores da relação do clube de Luís Filipe Vieira com o Desportivo das Aves, popular clube de Santo Tirso, atualmente a atravessar dificuldades, depois da criação de uma SAD, com investidores chineses, que deu para o torto. E do papel de Luís Duque – um antigo dirigente sportinguista – nesse escândalo.


Uma conta corrente entre o Benfica e o Aves mostra que os avenses chegaram a dever dois milhões de euros. Contratos de transferência de jogadores, vantajosos para os benfiquistas, foram acordados à margem da lei, levando juristas a falar em empréstimos de futebolistas camuflados.


E como reagiu o Benfica? Um dos estratagemas dos políticos da era da pós-verdade é classificar os próprios factos investigados pelas autoridades e noticiados pela imprensa livre como "fake news", tentando, assim, virar o feitiço contra o alegado feiticeiro, gerando a confusão ou o caos no espaço mediático. É isso que fazem diariamente personagens como Trump ou Bolsonaro.


O diretor de comunicação do Benfica, Luís Bernardo, também recorreu às estratégias de Trump ou Bolsonaro, classificando as reportagens do “Público” como “fake news” e reagindo com um contra-ataque ao FC Porto – “Onde foram gastos os muitos milhões das vendas do FC Porto?” – alegando que esse será "verdadeiro grande mistério do futebol português".


6 – Nada melhor do que concluir esta ronda de notícias do Estado Lampiânico com uma sobre o SCP. Ou não fosse o clube de Alvalade o mais novo parceiro de Luís Filipe Vieira.



Num trabalho do jornal “A Bola”, ficamos a saber que Frederico Varandas contratou 10 treinadores em apenas dois anos. E um deles, o treinador principal Rúben Amorim, foi mesmo o terceiro mais caro da história do futebol mundial, mesmo não tendo as habilitações académicas exigidas.


Para os sportinguistas que ainda consideram que agora é que o Sporting Clube de Portugal está bem, estamos perante um exemplo de rigor, de estabilidade e de poupança de recursos num clube com dificuldades financeiras.


Na verdade, Frederico Varandas continua a fazer história, fazendo tudo ao contrário daquilo que prometeu. A sorte dele é que os sportinguistas continuam a dormir profundamente e no mercado ainda há mais treinadores para contratar.




Luís Paulo Rodrigues

11/06/2020


1,610 visualizações13 comentários
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now