Buscar

Afonso Pinto Coelho 24/06/2020 - Orçamento Sporting Clube de Portugal 2020/2021



Conforme é do conhecimento público, na sequência das medidas excepcionais e temporárias relativas à pandemia da doença Covid-19, o Artigo 18º n.º2 do Decreto-Lei nº24-A/2020 de 29 de Maio dilatou até 30 de Setembro de 2020, o período de realização de Assembleias Gerais de associações com mais de 100 associados, que devam ter lugar por imposição estatutária, o que no caso do Sporting Clube de Portugal retira a obrigatoriedade da Assembleia-Geral para aprovação do Orçamento 2020/2021 se realizar até 30 de Junho do corrente ano.


Desde a passada segunda-feira que está disponível, para os sócios do Sporting Clube de Portugal, a consulta do Orçamento para o exercício económico 2020/2021, relativo ao período compreendido entre 1 de Julho de 2020 e 30 de Junho de 2021. Esta consulta apenas pode ser realizada presencialmente num único local físico (Centro de Atendimento ao Sócio situado nas instalações do Sporting Clube de Portugal em Lisboa). Poucos dias antes da Assembleia-Geral de 29 de Junho de 2019 para aprovação do orçamento do actual exercício económico, o actual Presidente do Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal deu uma entrevista onde afirmou: “Isto era conhecido pelos funcionários como a casa de papel”.


Mais de um ano se passou, e os sócios continuam a ter de se deslocar presencialmente às instalações do clube em Lisboa se quiserem consultar previamente os orçamentos e/ou os relatórios e contas, na medida em que é a única forma de o fazer. Esta problemática ganha especial importância face à actual pandemia que vivemos e às medidas de distanciamento social recomendadas pela autoridades sanitárias. A revolução digital anunciada por Frederico Varandas em finais de Junho de 2019 não conseguiu resolver um problema que me parece de simples solução, face à multiplicidade de soluções electrónicas disponíveis para os sócios poderem consultar os orçamentos e/ou os relatórios e contas em qualquer parte do mundo e a qualquer momento.



Relativamente ao orçamento 2020/2021 propriamente dito, verifica-se uma quebra de Rendimentos Orçamentados de 23,826 Milhões de Euros para 21,464 Milhões de Euros, face ao Orçamento 2019/2020, considerando que quase todas as rubricas de Rendimentos apresentam descidas. No entanto, destaco a descida dos rendimentos de Quotizações (-10%) de 9 Milhões de euros para 8,1 Milhões de euros, e de Publicidade e Patrocínios (-35%) de 2,772 Milhões de euros para 1,8 Milhões de euros, face ao valor orçamentado para o exercício actualmente em curso.


A descida da rubrica Publicidade e Patrocínios vêm contrariar os auto-propalados resultados comerciais de excelência no âmbito da Sporting SAD. A descida do orçamento da rubrica de Quotizações representa a confissão do fracasso do actual Conselho Directivo na sua relação com os sócios e a sua incapacidade de liderança em os conseguir mobilizar para a vida associativa do clube, considerando o que consta no “Pilar III – Sócios, A Família Sporting” do programa eleitoral da Candidatura “Unir o Sporting”.


Por outro lado, verifica-se também uma descida de Gastos Orçamentados de 23,737 Milhões de Euros para 21,427 Milhões de Euros, considerando que a maioria das rubricas de Gastos apresentam descidas, o que temo que se traduza numa diminuição da capacidade competitiva das diferentes modalidades, principalmente pelo decréscimo da rubrica Honorários de 8,027 Milhões de Euros para 7,09 Milhões de Euros, ou seja, quase 1 Milhão de Euros, o que equivale a uma redução percentual de quase 12%. No entanto, e de uma forma difícil de compreender, aumentam os Gastos de Pessoal Orçamentados de 1,286 Milhões de Euros para 1,412 Milhões de Euros, ou seja, em quase mais 10%. Devido ao facto da redução de Gastos Orçamentados ser inferior, em termos absolutos, à redução de Rendimentos Orçamentados, os Resultados Orçamentados descem de 0,089 Milhões de Euros para 0,036 Milhões de Euros.


Por ultimo, quero destacar o facto do documento disponibilizado esta semana não incluir a “Projecção 2019/2020”, contrariamente ao que aconteceu no documento do Orçamento do exercício económico em curso (Fonte: Mister do Café), relativo ao período compreendido entre 1 de Julho de 2019 e 30 de Junho de 2020 aprovado na Assembleia-Geral de 29 de Junho de 2019, o qual incluía “Orçamento 2019/2020”, “Projecção 2018/2019”, “Orçamento 2018/2019” e “Real 2017/2018”. O documento do Orçamento 2020/2021 (Fonte: Fórum SCP) apenas inclui “Orçamentado 20/21”, “Orçamentado 19/20”, “Real 18/19” e “Real 17/18”.


Considerando a bandeira eleitoral “Zero Suspeição” da Candidatura “Unir o Sporting”, é manifestamente incompreensível e preocupante, em termos de transparência , que o Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal não tenha incluído a “Projecção 2019/2020”, com base numa posição de execução orçamental já muito próxima do resultado final do exercício económico, mais que não seja para facilitar a análise dos sócios em termos comparativos. Mais surpreendente, é que o actual Conselho Directivo o tenha feito no ano passado e não o tenha feito este ano, demonstrando uma estranha e incoerente linha de actuação.


Considerando a não inclusão da “Projecção 2019/2020” no documento do Orçamento 2020/2021, quero acreditar que os sócios do Sporting Clube de Portugal não tenham de esperar até final de Setembro/inicio de Outubro para ter acesso aos resultados do exercício económico 2019/2020 por via do respectivo Relatório e Contas.


Saudações leoninas!



Afonso Pinto Coelho

24/06/2020



441 visualizações9 comentários
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now