Buscar
  • Opinião com Assinatura

Afonso Pinto Coelho 04/10/2020 - A semana das Assembleias Gerais



Decorreram nesta ultima semana, duas Assembleias Gerais no âmbito do Grupo Sporting, nomeadamente a Assembleia-Geral Comum Ordinária do Sporting Clube de Portugal (transformada pelo actual Presidente da Mesa da Assembleia-Geral em Assembleia-Geral Eleitoral, através da própria Convocatória Oficial ) e a Assembleia-Geral da Sporting Futebol, SAD.

Assim, no passado sábado, dia 26 de Setembro, cerca de 3.115 sócios do Sporting Clube de Portugal reprovaram por larga maioria a proposta de Orçamento para o exercício económico 2020/2021 (68,78% dos votos equivalente a 76,33% dos votantes) e o Relatório & Contas referente ao exercício económico 2019/2020 (66,79% dos votos equivalente a 75,02% dos votantes) numa das Assembleias Gerais Ordinárias mais participadas da história do clube.



Mais do que a leitura formal dos resultados do passado sábado, existe uma leitura politica que tem de ser feita. Se recuarmos a 29 de Junho de 2019, verificamos que na Assembleia-Geral realizada nesse dia participaram 1.151 sócios, com 30,9% dos votos expressos e 39,1% dos sócios a votarem contra o Orçamento 2019/2020. No dia de 10 de Outubro de 2019 realizou-se a Assembleia-Geral para votar o Relatório & Contas 2018/2019, em que participaram 1.352 sócios, sendo que 55,9% dos sócios votaram contra a aprovação do referido documento, o que equivaleu a 47% dos votos expressos.


Conforme se pode verificar facilmente e seguindo uma linha do tempo, pode-se constatar que o aumento da participação dos sócios nas ultimas Assembleias Gerais é acompanhado pelo aumento da contestação aos actuais Órgãos Sociais, quer em termos absolutos, quer em termos relativos. Assim, fica provado que quanto maior tem sido a participação dos sócios em Assembleias Gerais, maior é a contestação a quem dirige actualmente os destinos do clube. A rejeição de ambos os documentos por números similares (68,78% vs 66,79%, em votos e 76,33% vs 75,02%, em sócios) demonstra que a contestação que se traduziu na rejeição dos dois pontos da ordem de trabalhos vai muito para além do Orçamento 2020/2021 ou do Relatório e Contas 2019/2020. A mensagem politica que resulta do que os sócios votaram no sábado é a rejeição dos sócios a Assembleias Gerais Ordinárias Comuns (transformadas em Assembleias Gerais eleitorais através de uma convocatória oficial) sem debate por parte de uma Mesa da Assembleia-Geral que não respeita os direitos dos sócios, e a um modelo de gestão de um Conselho Directivo “autista” que pretendia aprovar uma dívida corrente do clube à Sporting Futebol SAD de cerca de 17 milhões de euros, através do Relatório & Contas 2019/2020. Posteriormente, e logo após de serem conhecidos os resultados da Assembleia-Geral, o Conselho Directivo emitiu um comunicado que é omisso relativamente à vontade dos sócios, e que mais uma vez não retira nenhumas ilações politicas relativamente ao que se passou na tarde/noite de sábado passado.

No passada terça-feira, dia 29 de Setembro decorreu a Assembleia-Geral da Sporting Futebol, SAD com a duração de mais de 10 (!) horas em que todos os 5 pontos da ordem de trabalhos foram aprovados, em virtude do clube (por via directa ou indirectamente via SGPS) representado pelo Presidente do Conselho de Administração ter a maioria no capital social da referida sociedade, o qual votou a favor de todos os pontos da ordem de trabalhos, ignorando completamente a vontade relevada pelos sócios do clube no sábado, 26 de Setembro, mais que não seja, pela interacção continua que existe entre as duas entidades (clube e SAD) dentro do grupo Sporting.

Como nota final, foi também conhecida a atribuição de nomes de jogadores ou conjunto de jogadores aos campos da academia de futebol. Como disse na passada semana relativamente à atribuição do nome da Academia (Cristiano Ronaldo), parece-me igualmente prematura a atribuição de nomes aos campos sem a aprovação dos sócios em sede de Assembleia-Geral, independentemente da questão da obrigatoriedade estatutária. A dimensão ética deve sempre superior à dimensão legal.


Saudações leoninas!



Afonso Pinto Coelho

04/10/2020


284 visualizações5 comentários
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now